domingo, 15 de março de 2015

Pensando sobre o 15 de março

Hoje, no fim da tarde deste 15M, eu e minha namorada tivemos a oportunidade de presenciar um debate. Não destes feitos na tv por figurões muito bem pagos ou por intelectuais da academias ou por velhos ou novos políticos, mas por duas senhoras da classe média que se exercitavam no Parque Olhos D'Água, em Brasília. Uma falando da maravilha de "cidadania" que foi a marcha, onde tudo mundo sabia o que estava ali fazendo unidos contra o "comunismo". Pensei: que desespero. Mas, de repente, a outra senhora começou a defender o Comunismo! Sim, que ele não era tão mal como se pintava; a outra atacava com os velhos chavões da tv contra Cuba e a outra senhorinha com respostas simples defendia sem nenhuma ortodoxia o comunismo: os valores, os princípios, os direitos, a saúde, a educação, coisa que não alcançamos com plenitude nesta sociedade individualista. Não defendia o PT, a Dilma, o Lula, o PCdoB ou o PSOL, mas o Comunismo!
Hoje, infelizmente, não ficou registrado a alegria da luta de junho de 2013 ou a luta cotidiana dos movimentos sociais. Mas registra que é necessário mudanças. Inclusive mudança de postura de quem acredita em um mundo radicalmente melhor! Temos que fazer o debate completo, sem pestanejar!
Mais do que nunca é necessário ir a luta. Claro, parabenizo quem já está na luta. Mas o que digo, é que não vejo resultado ficar atacando o 15M a varejo, ficar criticando esta ou aquela faixa, ou se este ou aquele foram bem aceitos. É necessário rebater no atacado, propostas e confronto de ideia, das grandes ideias. Ponto para eles, burguesia, rede globo, bolsonaros, ganharam esta batalha, mas outras batalhas virão!